Rishon LeZion

 

   
   
       

O nome Rishon LeZion vem da passagem bíblica Isaías 41:27 (Eu sou o que primeiro direi a Sião: Ei-los, ei-los; e a Jerusalém darei um mensageiro que traz boas-novas.) e significa literalmente “Primeiros a Sião”.

        Rishon LeZion (31° 58′ 0″ N, 34° 48′ 0″ E) (רִאשׁוֹן לְצִיּוֹן‎, نويستل نوشي) é a quarta cidade de maior população em Israel. É constituinte do Gush Dan (agregado metropolitano das cidades centrais do país) e foi o segundo assentamento judeu no território Israelense, quando, em 1882, foi fundada por imigrantes russos,  numa época em que a atual Israel ainda estava sob domínio do Império Otomano. A cidade tem 222 300 habitantes (2006) e 58.704 km² de área.

História           

           Em 31 de julho de 1822, um grupo de 10 integrantes da organização sionista Hovevei Zion (“Amantes de Sião”, organização pioneira do sionismo moderno), oriundos da cidade de Carcóvia, Ucrânia (época do Império Russo), fundaram o segundo assentamento de judeus (o primeiro foi Petah Tikva) no território onde hoje é Israel. O grupo, liderado por Zalman David Levontin, comprou 3,4 km² de terra perto da vila árabe de Ayun Kara e começou a construir moradias e a tentar o plantio. Infelizmente, as primeiras tentativas de agricultura na região fracassaram, pois o solo era pobre e a água era escassa. O assentamento só começou a prosperar quando outro grupo de judeus idealizadores do sionismo, os Biluim ("Beit Ya'acov Lekhu Ve-nelkha" Ísaias 2:5), começou a enviar imigrantes para fazer a população do local crescer, chamando a atenção do Barão de Rothschild. Este, por sua vez, se interessou em investir em Rishon LeZion e, para tanto, fundou em 1886 o Vinhedo de Carmel-Mizrahi, atraindo olim-chadashim (imigrantes) para o local. David Ben-Gurion foi o representante dos trabalhadores do vinhedo antes de se tornar primeiro ministro de Israel. O investimento do Barão fez crescer o potencial de agricultura e o assentamento se especializou na citricultura e na viticultura.

            As primeiras escolas judaicas no território da Palestina foram abertas em Rishon LeZion, no ano de 1886, quando o assentamento tinha menos de 360 habitantes. O pai do hebraico moderno, Eliezer Ben-Yehuda, trabalhou como professor de hebraico em Rishon LeZion.

            Um tempo depois da criação do Estado de Israel, em 1950 Rishon LeZion foi oficialmente considerada uma cidade.

Hoje

           

            Além da forte economia da viticultura, hoje Rishon é um importante pólo industrial de Israel, abrigando indústrias alimentícias, automobilísticas e da área da construção. A cidade também é lembrada pela atividade noturna, mantendo bares e danceterias nacionalmente conhecidas.

            Sendo um dos primeiros estabelecimentos do Estado de Israel, a cidade comporta diversos centros culturais e turísticos, como o Beit Yad LeBanim (centro administrativo criado pelo Barão de Rothschild), um museu de história e um centro de cultura chamado Heichal HaTarbut (Salão da Cultura).

            Atualmente a cidade é dividida nas seguintes partes: Cidade Velha, Parte Leste, Velha Zona Industrial e Rishon Oeste.